terça-feira, 30 de julho de 2013

Secultrn/FJA divulga classificados do III Salão de Arte Chico Santeiro

 Fotos: Anchieta Xavier
Escultura 1° lugar : José Fernandes Soares de Assis (Santa Cruz)
As inscrições para o III Prêmio Salão de Arte Chico Santeiro chegaram ao fim com o total de 90 artistas inscritos. O julgamento das obras ocorreu durante o dia de hoje (30/07), pela comissão formada por Dorian Gray Caldas, Antônio Marques e Francisco Iran. O primeiro lugar em pintura foi Wagner de Oliveira, de Assu; escultura, José Fernandes Soares de Asis, de Santa Cruz; e objeto de arte popular, Zé de China (José de Daniel), de NAtal. A exposição acontecerá na Pinacoteca Potiguar e a abertura marcada para o dia 1° de agosto, às 19h.

O evento faz parte da programação do festival Agosto da Alegria, organizado pela Secretaria Extraordinária de Cultura do RN, e permanecerá aberto à visitação até o dia 6 de setembro de 2013, das 08h às 18h, exceto às segundas.  De cada categoria, foram selecionadas dez obras, sendo que o primeiro lugar receberá o prêmio de R$ 3 mil e as demais, R$ 400.

Ao observar as obras, Dorian Gray afirmou que o que chamou mais a sua atenção foi a originalidade trazida por novos artistas. “É interessante observar que a todo momento surgem artistas trazendo novas linguagens, só vendo essas obras já me deparei com vários artistas que eu não conhecia, essa vitalidade é uma maravilha”, declarou.  
O Salão tem como objetivo incentivar, reconhecer e divulgar trabalhos de artistas nordestinos, é um dos primeiros eventos do festival e contou com a inscrição de 38 pinturas, 13 esculturas e 29 Objetos da Arte Popular de artistas do RN e dos estados de Pernambuco e Bahia. Confira a lista dos vencedores em cada categoria. 
Pintura 1° lugar: Wagner de Oliveira (Assu)
  Escultura: José Fernandes Soares de Assis (Santa Cruz) - 1° lugar; Laudeci de Araújo Azevedo (Jardim do Seridó), Antônio de Santana Lima (Ceará-Mirim), Iron Garcia Dantas (Parelhas),  Jordão Atrimatéia (Natal), Luzia de Araújo Dantas (currais Novos), Daniel Martins de Araújo (Coronel Ezequiel), Mundoca – Raimundo João de Araújo (Natal), Sebastião Aldo (Macaíba), Edilson Ribeiro (São Gonçalo do Amarante).

Pintura: Francisco Wagner de Oliveira (Assu) - 1° lugar; Etelânio Fernandes de Figueiredo (Pau dos Ferros), Rosa Maria da Costa (Natal),Ivanise Lima do Vale (Natal), Ana Cristina da Câmara Jácome (Natal), Carlos Sérgio Borges (Natal), Alcione Soares (Natal), Gilvan Lopes de Souza (Assu), José Alves dos Santos (Santa Cruz), Luciana Dantas Cruz de Medeiros (Natal). 
Objeto de Arte Popular 1º Lugar: Zé de China (Major Salles)

 Objetos de arte popular: Zé de China - José Daniel Filho (Major Salles) - 1° lugar; Luiz Francisco de Morais (Bodó),Cláudio Cavalcante (Natal), Cleilton Ângelo da Silva (São Gonçalo do Amarante), Nelson Soares Ribeiro (Passa e Fica), Genildo Mateus (Natal), Lúcia Maria de Oliveira (São Gonçalo do Amarante), Lázaro Pinheiro da Silva (Bodó), Manuel Januário (São Gonçalo do Amarante), Maria do Socorro Silva (São Gonçalo do Amarante).


SERVIÇO:


Abertura do III Salão Nordeste de Arte Popular Chico Santeiro – 01/08, às 19h, na Pinacoteca do Estado. Visitação, das 8h às 18h, exceto às segundas, até 6 de setembro. Tel.: 3232-2997.


segunda-feira, 29 de julho de 2013

Plano Estadual de Cultura

Prof. Isaura Rosado, consultor Roberto Peixe, produtora Danielle Brito e o público do Seminário

A manhã do último sábado, 27 de julho, representou um passo adiante para a sistematização de uma política cultural eficiente para o RN, a partir da apresentação e discussão do Plano Estadual de Cultura, cujo texto em forma de projeto de lei será enviado para votação na Assembleia Legislativa. No seminário realizado pela Secretaria Extraordinária de Cultura, presidido pela secretária Isaura Rosado, estiveram presentes representantes de 33 municípios, de secretarias de educação e cultura, além de artistas e produtores culturais.
Na ocasião, o idealizador do Sistema Nacional de Cultura, João Roberto Peixe, parabenizou o Estado pela expressiva adesão ao sistema. Até o presente momento, 85 municípios aderiram, criando o plano municipal. Para serem implementados como lei, os planos seguem algumas premissas e se baseiam nas 53 metas estabelecidas pelo Ministério da Cultura.  Para que haja garantias de recursos para a cultura, cada plano prevê a implantação de um fundo de financiamento, “em cada nível de governo, com maior destinação”, assegura.

Peixe elogia a expressiva participação do RN no Sistema Nacional de Cultura
A necessidade de transformar os planos em leis é uma garantia da institucionalização das ações previstas para serem executadas ao longo de dez anos, tempo de vigência de cada plano, e atribui a responsabilidade de execução ao Estado. “Não são ações de governo”, frisou Roberto Peixe, que também destacou a importância da sociedade no sentido de se posicionar para cobrar ações dos gestores, para que a legislação realmente saia do papel.
A secretária Isaura Rosado classifica esse momento como histórico e destaca a importância do PEC, como instrumento de regulação. “Este que vem a ser o primeiro Plano Estadual de Cultura foi bastante discutido, com participação expressiva da sociedade, tendo tido a representação de gestores, artistas e produtores culturais”, destacou. O texto-base do PEC foi construído a partir de 14 reuniões municipais, nove conferências regionais, quatro fóruns territoriais, com a participação de 1.500 pessoas de 140 municípios.
Prof. Isaura participou ativamente para a elaboração do primeiro Plano Estadual de Cultura
O Plano Estadual de Cultura é dividido em cinco capítulos e foi elaborado como prevê o SNC. No capitulo primeiro, trata da gestão e do fomento e contempla desde a implementação de um turismo cultural sustentável, a ações didáticas a serem implantadas no currículo escolar; no segundo capítulo, sobre diversidades, estão sugeridas ações para atender comunidades dos municípios carentes, assentamentos, comunidades rurais, indígenas, ciganas e quilombolas; o terceiro capítulo trata do acesso à população aos bens culturais, ampliando a acessibilidade propriamente dita, e cuidando para que os equipamentos culturais recebam seu devido tratamento, em termos de difusão e manutenção.
No quarto capítulo, é sugerida a participação da população em geral e das classes artísticas nos conselhos de cultura e fundo estadual, garantindo a ampliação da democracia nos meios culturais. O quinto capítulo trata sobre as políticas setoriais, contemplando de maneira igualitária ações para as áreas de teatro, música, dança, circo, audiovisual, artes visuais, literatura e patrimônio cultural. Como se trata de um Plano Estadual, as ações e metas visam a descentralização das ações e utilização de equipamentos culturais existentes em diversos municípios, como as Casas de Cultura, teatros, auditórios e logradouros públicos.

SERVIÇO:
Como minha cidade ou meu estado pode aderir ao Plano Nacional de Cultura?
De acordo com o Ministério da Cultura, a adesão ao SNC é voluntária e poderá ser realizada por meio de um Acordo de Cooperação Federativa. Contatos da Secretaria de Articulação Institucional (SAI): Tel: (61) 2024 2287. Email: snc@cultura.gov.br.


sexta-feira, 26 de julho de 2013

Roberto Peixe fala sobre Sistema Nacional de Cultura no TAM

João Roberto Peixe idealizou o Sistema Nacional de Cultura

O texto-base do Plano Estadual de Cultura será apreciado e discutido neste sábado, 27, para ser encaminhado como projeto de lei para a Assembleia Legislativa.  


O idealizador do Sistema Nacional de Cultura, João Roberto Peixe, ministra a palestra Do Sonho à Realidade – O Sistema Nacional e o Município, neste sábado, 27, dentro da programação do seminário Plano Estadual de Cultura, que começa às 8h, no Teatro Alberto Maranhão. Na programação do evento, aberto a quem se interessar pelas ações culturais que deverão ser implementadas no Rio Grande do Norte, consta palestra de Josenilton Tavares e Daniele Britto, que falam sobre o processo de elaboração do texto-base do Plano.

A Secretária Extraordinária de Cultura, Isaura Rosado, aguarda a presença de conselheiros de cultura, que participaram da elaboração do texto-base, de integrantes das classes artísticas, e de todas as pessoas que se preocupam com os rumos da cultura potiguar. “Sábado é dia de referendar o Plano Estadual de Cultura. Venha ao TAM pela manhã. Vamos ouvir Roberto Peixe sobre o Sistema Nacional e o município”, convida.

O Plano Estadual de Cultura é uma proposta elaborada por muitas mãos, ao longo de 14 reuniões municipais, nove conferências regionais, quatro fóruns territoriais, com a participação de 1.500 pessoas de 140 municípios. Por 45 dias, ficou disponível na página oficial da Secretaria Extraordinária de Cultura para consulta pública. Segundo Josenilton Tavares, que participou intensamente do processo de construção, trata-se de um mecanismo extremamente importante, que tem por objetivo sistematizar as ações culturais para os próximos dez anos. “Quando for aprovado na Assembleia Legislativa, os gestores culturais planejarão as atividades culturais com base no que foi decidido para o Plano”, explica.

O texto do Plano Estadual de Cultura é dividido em cinco capítulos. No capitulo primeiro, trata da gestão e do fomento e contempla desde a implementação de um turismo cultural sustentável, a ações didáticas a serem implantadas no currículo escolar; no segundo capítulo, sobre diversidades, estão sugeridas ações para atender comunidades dos municípios carentes, assentamentos, comunidades rurais, indígenas, ciganas e quilombolas; o terceiro capítulo trata do acesso à população aos bens culturais, ampliando a acessibilidade propriamente dita, e cuidando para que os equipamentos culturais recebam seu devido tratamento, em termos de difusão e manutenção.

No quarto capítulo, é sugerida a participação da população em geral e das classes artísticas nos conselhos de cultura e fundo estadual, garantindo a ampliação da democracia nos meios culturais. O quinto capítulo do Plano dispõe sobre as políticas setoriais, contemplando de maneira igualitária ações para as áreas de teatro, música, dança, circo, audiovisual, artes visuais, literatura e patrimônio cultural. Como se trata de um Plano Estadual, as ações e metas visam a descentralização das ações e utilização de equipamentos culturais existentes em diversos municípios, como as Casas de Cultura, teatros, auditórios e logradouros públicos.

   

SERVIÇO:

Seminário Plano Estadual de Cultura – com Roberto Peixe. Quando: 27 de julho. Horário: 8h. Local: Teatro Alberto Maranhão. Tel.: (84) 3222-3669. Aberto ao público.




quarta-feira, 24 de julho de 2013

Viva L'ópera reúne cantores líricos e bailarinos em espetáculo no TAM


O Teatro Alberto Maranhão celebra a beleza do canto lírico com o encontro das sopranos potiguares Alzeny Nelo, Angela Maria e Nazaré Rocha no espetáculo Viva L’opera, que será realizado hoje, 24 de julho. A noite conta ainda com especiais participações dos pianistas Marluze Romano, Guilherme Rodrigues e Igara Cabral, do tenor César Leonardo, do grupo coral In Versão Vocal  e de bailarinos da Companhia de Dança do TAM. O Viva L’opera começa às 20 horas e os ingressos custam 20 reais (inteira) e 10 reais (estudante), e podem ser adquiridos na bilheteria do TAM ou com os coralistas da Camerata de Vozes do Rio Grande do Norte.
O espetáculo Viva L’opera é mais uma produção e realização da Camerata de Vozes do Rio Grande do Norte, coral regido pelo Pe. Pedro Ferreira. Serão executadas árias de óperas consagradas como Carmen e La Boheme. A Camerata se prepara para uma série de apresentações na Holanda e Alemanha em setembro deste ano, onde levará para a Europa a cultura musical do RN através do excelente trabalho de canto coral desenvolvido pelo grupo. Toda a renda gerada com o show Viva L’opera será revertida para a causa.
Participam da Camerata de Vozes do Rio Grande do Norte 35 cantores  profissionais e amadores, entre eles as sopranos Alzeny e Angela – duas das três vozes do Viva L’opera. A camerata recebe preparação vocal da soprano Alzeny Nelo e direção musical e regência do Pe. Pedro Ferreira. Atuando há pouco mais de dois anos, a Camerata de Vozes do RN coleciona apresentações importantes, entre elas a participação no 18º Festival Unicanto de Corais no Paraná em outubro de 2012.

Serviço:
Espetáculo de música erudita Viva L’opera
Quarta-feira, 24 de julho às 20 horas
Teatro Alberto Maranhão
Ingressos R$20 (inteira) R$10 (meia) na bilheteria do TAM ou com os coralistas da Camerata
Informações – 8805-6686

Aprendendo a fazer cordel

Escritora Clotilde Tavares ministra curso de cordel
Venha aprender a produzir cordel na oficina que será ministrada pela professora, atriz e dramaturga Clotilde Tavares, nos dias 5, 7 e 9 de agosto, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, das 19h às 22h. As inscrições estão sendo realizadas no TCP, das 9h às 16h. A oficina Aprendendo a Escrever Cordel faz parte do Projeto Fazendo Arte, que visa a formação de atores, diretores, técnicos de teatro e é extensiva a arte-educadores. As incrições são gratuitas e permanecerão abertas até dia 5 de agosto. Estão sendo disponibilizadas 20 vagas. Informações: (84) 3232-5307.

Sobre a Oficina Aprendendo a Escrever Cordel - o projeto está aberto a professores das redes municipal, estadual e federal de ensino, agentes de cultura, atores, diretores, entre outras pessoas que demonstram interesse na literatura e artes em geral, e pelas artes cênicas em particular.

Sobre Clotilde Tavares - A ministrante é bastante respeitada nos meios culturais, do Rio Grande do Norte, onde é radicada desde o ano de 1970, e na Paraíba, seu estado de origem. Recentemente, recebeu Título de Cidadã Natalalense, pelos relevantes serviços prestados à cultura. Mantém ativos os blogs http://umaseoutras.com.br/, http://anoivadosol.wordpress.com/ ehttp://teatrovivo.wordpress.com/, onde é possível conhecer sua vida e extensa obra literária. 

Entre os diversos títulos editados, Clotilde Tavares publicou os cordéis A Vida e Obrtfa de Xico Santeiro, glória da nossa arte popular (FJA/1976), A Triste sina de Ritinha que criou seus filhos sem dar de mamar (EMATER, 1981), A Vida de Quincoló Boiadeiros, bravo vaqueiro nordestino (Edição da Autora/1986), A vida e Obra do Padre Malagrida, o Santo Andarilho do Nordeste (Edições Engenho de Arte, 2005), Cariri de A a Z (Edições Engenho de Arte/2008). 



segunda-feira, 22 de julho de 2013

Fazendo Arte continua com Oficina de Mamulengo

Josivan de Chico Daniel ministra oficina dentro do projeto Fazendo Arte
 Estão abertas - gratuitamente - as inscrições para a Oficina Construção de Mamulengo, que será ministrada pelo mamulengueiro Josivan de Chico Daniel. As aulas serão realizadas no período de 12 a 16 de agosto, no TCP  Chico  Daniel (anexo à Fundação José Augusto). Mais informações pelo telefone (84) 3232-5307, ou no local,  à rua Jundiaí, 641, Tirol, das 9h às 16h. 

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Emoção, aplausos e muita festa na inauguração do Cine Teatro Pedro Amorim

Walber Fersan apresenta o monólogo Vida de sertanejo e inaugura palco do cine Teatro Pedro Amorim


A população se acotovelou para entrar e conhecer as dependências internas do Cine Teatro Pedro Amorim, inaugurado na noite de quinta (18), na cidade de Assu. Para surpresa geral, tão logo o público ocupou cada uma das 200 cadeiras, o ator Walber Fersan encenou o monólogo Vida de Sertanejo, com trechos de poemas de Renato Caldas, Luís Campos, Antônio Francisco e Luiz Gonzaga. A Governadora Rosalba Ciarlini, que se sentou na primeira fila, fez questão de elogiá-lo e dizer que se emocionou com sua atuação.   

Oficialmente, foi a primeira de muitas apresentações culturais que acontecerão no tão sonhado teatro. Acompanhado do músico Fofinho do Acordeon, o ator, diretor e roteirista Fersan demonstrou ser um exemplo da potencialidade artística da região. “O que podemos fazer hoje é celebrar e aplaudir o Cine Teatro, sonho realizado que o prefeito Ivan Júnior soube tão bem compreender que estava no coração dos assuenses”, declarou Rosalba ao fim do seu discurso, poucos minutos antes de descerrar a placa inaugural.   
Dep. Fátima, Ferradans (Petrobras), Gov. Rosalba e Prefeito Ivan Júnior
No saguão do teatro, planejado para abrigar exposições, lançamentos de livros e outros eventos culturais, o prefeito garantiu que deseja transformar a instituição em um palco atuante, com a realização de festivais de cinema, dança e teatro, além de planejar uma escola de teatro. “Estamos entregando o Cine Teatro com sistema de som e iluminação digitais, com projetor para cinema, e aos poucos iremos adequá-lo às necessidades”, afirmou o prefeito, após ouvir opinião de Sônia Santos, experiente atriz, produtora teatral e diretora do Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, em Natal (anexo à FJA), sobre a estrutura física do novo teatro Pedro Amorim, que será administrado por Ranilson Carlos de Souza.Foi realmente uma noite de festa, que contou com a presença da secretária Isaura Rosado, que enfatizou a revitalização do espaço como instrumento para fomentar a cultura local. “Apenas a recuperação deste imóvel do início do século XX já tem um imenso valor para a história e para o patrimônio arquitetônico do estado do Rio Grande do Norte. Somado a isso, a destinação que este espaço que sempre foi de cultura, cinema e teatro retoma, resulta em um ganho ainda maior para a classe artística do Estado”, pontua Isaura.
Homenagem a "seu" Dedé, que foi o guardião do teatro nos 35 anos em que esteve fechado
As autoridades presentes – entre elas a deputada Fátima Bezerra e o gerente da Petrobras Luiz Ferradans – demonstraram sua admiração pelo resultado da construção, em que a fachada Art Noveau foi recuperada, contrastando com o interior dotado de modernas instalações e painéis que contam sua história desde a edificação, em 1925, pelo empresário Francisco Martins. A obra também contemplou a construção de camarins, banheiros e, ainda, a instalação de sistemas de climatização, sonorização e iluminação do espaço. Todo o prédio foi é acessível a pessoas portadoras de deficiências.  
Para a concretização desse sonho, o Estado destinou mais de R$ 1,1 milhão, através da Lei Câmara Cascudo, somados à doação de R$ 300 mil pela Petrobras. Na cerimônia de inauguração, as autoridades presentes e a população foram saudades pela Orquestra de Sanfonas do Assu, e ao final, a cantora Cristina Hollanda apresentou o show Samba Canção.



Orquestra de Sanfonas de Assu encantou a todos com seu repertório de música popular














Valor total do projeto

          Teatro Pedro Amorim (financiado através da Lei Câmara Cascudo) – R$ 1.411.670,00 (um milhão, quatrocentos e onze mil e seiscentos e setenta reais).



 

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Apoio às artes cênicas é evidenciado através de obras financiadas pela Secultrn/FJA

Teatro Pedro Amorim Assu-RN) será inaugurado quinta, 18, às 19h
Em respeito ao pedido feito pela professora Débora Seabra, em rede nacional, no último domingo (14), solicitando a reabertura do Centro Experimental de Pesquisa e Formação Teatral (CPT), a Secultrn/FJA informa que atualmente o Governo do Estado destina mais de dois milhões de reais em investimentos para instalação do teatro de Assu e recuperação de teatro de Caicó, cidades-polos para a produção e difusão das artes cênicas do Rio Grande do Norte.
O CPT funcionava anexo ao Aero Clube de Natal e deverá retornar até que o processo de reintegração de posse seja concluído. Nesse meio tempo, os artistas estão fazendo uso dos espaços culturais, ligados à FJA, para ensaios, oficinas e leituras dramáticas. “Disponibilizamos algumas dependências do Teatro de Cultura Popular Chico Daniel, da Pinacoteca e do Memorial Câmara Cascudo, além do Salão Nobre do TAM, para os grupos de teatro”, disse a professora Isaura Rosado.
A Secultrn/FJA realiza de forma compensatória o programa Fazendo Arte, com diversas oficinas de formação, que iniciou em junho e segue até o mês de setembro. Os cursos que estão acontecendo neste momento são o de Dramaturgia, com Racine Santos, e Cênica Musical da Dramaturgia Shakespeariana, com Fernando Yamamoto e Marco França, no próprio Barracão dos Clowns, que começa amanhã e transcorre até dia 20. Já foram realizadas oficinas de preparação vocal, palhaço e corpo em cena, e serão abordados ainda os temas cordel, mamulengos, máscaras e figurinos.
O Governo do Estado, através da Lei Câmara Cascudo, destinou R$ 1,4 milhão para recuperação do teatro
 “Temos investido diretamente na recuperação e construção de teatros como é o caso do Pedro Amorim, de Assu, que será inaugurado dia 18, e o Adjuto Dias, em Caicó, que deve ser inaugurado dentro de 60 dias”, reforça a Secretária. Continuam as obras de espaços culturais emblemáticos na Capital, como a Cidade da Criança e Biblioteca Pública Câmara Cascudo, reivindicados há anos pela população. O teatro de Mossoró Lauro Monte filho, cujos investimentos são da ordem de dois milhões e seiscentos mil reais, segue em obras.
A professora Isaura Rosado informou que a Governadora Rosalba Ciarlini recomendou ações para que o Centro Experimental de Pesquisa e Formação Teatral retome suas atividades o mais rápido possível.
Investimentos do Governo do Estado para Artes Cênicas:
•    Teatro Pedro Amorim (financiado através da Lei Câmara Cascudo) – R$ 1.411.670,00 (um milhão, quatrocentos e onze mil e seiscentos e setenta reais).
•    Centro Cultural Adjuto Dias (recursos próprios do Governo do Estado) – R$ 804.717,00 (oitocentos e quatro mil, setecentos e dezessete reais).
•    Teatro Lauro Monte Filho (recursos próprios do Governo do Estado) -  R$ 2.621.102,13 (dois milhões, seiscentos e vinte e um mil, cento e dois reais e treze centavos).
•    Fazendo Arte - Oficinas de capacitação na área de artes cênicas – R$ 40 mil (quarenta mil reais).


sexta-feira, 12 de julho de 2013

Continuam abertas inscrições para III Salão de Arte Popular Chico Santeiro

Arte popular será destaque em mais uma edição do Salão de Arte Xico Santeiro

Estão abertas, até o dia 24 de julho, as inscrições para o III Salão Nordeste de Arte Popular Xico Santeiro, realizado pela Secretaria Extraordinária de Cultura/FJA. Trinta obras e visa incentivar, reconhecer e divulgar os artistas nordestinos.
Podem participar pessoas físicas (maior de 18 anos, com envolvimento em atividades culturais), pessoa jurídica de direito publico ou privado (sem fins lucrativos) de natureza cultural,
Serão classificados trabalhos nas seguintes categorias: pintura (10), escultura (10) e objeto de arte popular (10). Cada artista selecionado receberá o prêmio participação no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reias). Serão concedidos 03 (três) prêmios aquisição de R$ 3.000,00 (três mil reais) cada, a trabalhos que passam a integrar o acervo da Pinacoteca do RN. Participam ainda do Salão, três artistas convidados.
A seleção será feita em três etapas: habilitação de projetos pela equipe técnica da Comissão permanente de Licitação da SECULT/FJA, de caráter eliminatório; avaliação pela Comissão de Análise do Mérito, de caráter classificatório; Análise documental, caráter eliminatório.
Para maiores informações acesse o link, para conferir na íntegra o edital e formulários para inscrição.
Edital, formulário e outras informações sobre o III Salão de Arte Popular Chico Santeiro